sexta-feira, 19 de abril de 2019

COLUNA DA HISTORIADORA FÁTIMA ALVES - Dona Maria do Ouro


DONA MARIA DO OURO, ouro na pessoa, 
nas palavras e na vivência de vida!



Nesta quarta feira dia 17 de abril neste ano de 2019 tive a honra de conversar com Dona Maria do Ouro, pessoa de ouro mesmo diante da exposição de sua história de vida e consequentemente na nossa história cotidiana.

Maria Francisca de Sousa nasceu na cidade de Mauriti no dia 25 de julho do ano de 1923. Casou-se com Francisco Miguel de Sousa, este vindo a falecer e depois ela casou-se com José Miguel de Sousa (primo do primeiro marido) o mesmo veio a falecer em Brejo Santo há cinco anos atrás, também muito conhecido por todos da cidade. Dona Maria veio morar na cidade de Brejo Santo a convite de Dona Erulina Cardoso Braga (in memoriam) as quais eram muito amigas, inclusive comadres. A família de Dona Maria é assim composta pelos filhos, filhas, netos e bisnetos: Margarida (2 filhos e 4 netos); Tereza (2 filhas e 1 neta); José (4 filhos e 2 netos); Zilda (2 filhos e 1 neta); Geraldo (in memoriam, 2 filhas e 1 neta); Manoel (1 filho); Bebe (filha); Lucinha e Pretinha.

Quando pergunto sobre as chegada na cidade e ela prontamente diz que antigamente tudo era diferente, hoje o Brejo Santo está mudado. Antigamente se tinha uma vida de sacrifício, seu esposo trabalhava com João Cardoso (in memoriam), esposo de Erulina (in memoriam). Diante das dificuldades da época, ela resolve ajudar na despesas da casa, e passa a vender joias na zona rural, às vezes pão ou cocadas. Por conta da venda de joias o Sr. João Cardoso colocou o apelido de Maria do Ouro. Com o passar dos anos Dona Maria se engaja nas atividades religiosas da cidade servindo a Irmandade do Santíssimo, inclusive uma das protagonistas da Irmandade, a convite de Dona Socorro de General, a qual a presenteou com todos os paramentos. 
Outra atividade religiosa que a tornava assídua, era a Ordem Terceira. Dona Maria do Ouro disse que nem soma os anos em que reside na Rua do Juá.  É de nosso conhecimento que Pretinha sua filha, destaca-se como uma personalidade conhecida por todos da cidade, trabalhou na Nortelar com Carlão, na Padaria com Pedro Tavares, como também depois colocou uma loja. A conversa com Dona Maria é agradável e ela faz questão de ressaltar a pessoa de Dr. Welington Landim (in memoriam) e assim expressa seu sentimento: “Rezava nas campanhas políticas, e ainda hoje rezo pela alma dele, por que ele era bom sem defeito, pra mim não tinha um homem bom como ele” e sua filha Lucinha completa que Welington (in memoriam) sempre a visitava, ele deixou saudades. Enaltece a pessoa do Monsenhor Dermival, uma pessoa boa. Recorda-se das amigas ausentes e presentes como Valdeci Noca (in memoriam), Erulina (in memoriam), Socorro de General, Terezinha Baraúnas entre outras.  Atualmente Dona Maria não frequenta a Igreja por motivos de saúde e recebe a Eucaristia através dos Ministros Fantinha e Solange, momento de muita alegria. Sente falta de ir Igreja, mas recebe de vez enquanto a vista dos membros da Irmandade do Santíssimo. Dona Maria é uma pessoa caridosa, junto com Nenén de Miguel ela distribuía feiras aos pobres, pedia aos amigos e conseguia.

Sobre Brejo Santo hoje, ressalta as pessoas de Guilherme Landim e Dra. Teresa, as quais, segundo ela, contribuem para o crescimento da cidade. Antes de concluir ela diz que Miran também é muito importante na vida dela e que o adora, é fã de carteirinha, tem ele como filho: “como Miran, só tem ele mesmo”. Fala de Lourdinha da Cabaceiras e Padre Cicero os quais são seus amigos do coração. Complementa falando do Padre Arnaldo, o qual quer muito bem, como também a Padre Luciano. Expliquei a Dona Maria que sua história sairia no Blog do Farias Junior e ela diz que é uma pessoa que também conhece e gosta muito. Que bom Dona Maria, percebe-se seu carisma em fazer amizades. 
A casa de Dona Maria do Ouro é muito frequentada pelos filhos, netos e bisnetos e por todos os amigos que se achegam.  Nossa homenagem aos seus 94 anos bem vividos e que em breve comemora-se seus 95 anos. Obrigada Dona Maria por contribuir com nossa história e por fazer parte da história cotidiana de nossa cidade. Nossa gratidão a toda família por conceder esse espaço de tempo em expor um pouco sobre esta ilustre pessoa da nossa cidade. E é assim essa pessoa doce e muito conhecida por todos nós: DONA MARIA DO OURO.