sexta-feira, 15 de maio de 2020

COLUNA DA HISTORIADORA FÁTIMA ALVES - Gislaine Landim, filha, mãe, avó, amiga e mulher destemida


Gislaine Landim, filha, mãe, avó, amiga e mulher destemida


Sabemos que ao longo da história víamos nomes de grandes homens e seus feitos heroicos, seja a nível de Brasil, bem como municipal, e estes mudaram o rumo da História. Mas precisamos aguçar nosso olhar para as mulheres que marcaram a História com suas contribuições, seja no campo do conhecimento, da política e até mesmo da guerra.  A história da nossa cidade está embrenhada a história do país, são inúmeras as mulheres que se destacaram e se destacam na história local. Por essa razão, venho hoje avultar a personalidade de uma mulher que merece nosso reconhecimento, por seu trabalho e dedicação a favor de nossa cidade: Gislaine Landim. 



Que honra retratar e homenagear a nossa querida Gislaine Landim! Neste mês dedicado as mulheres faço referência e reverência a essa mulher que desempenha um papel valioso na nossa história cotidiana, seja no aspecto social, humano, bem como político: Maria Gislaine Santana Sampaio Landim, nasceu no estado de Goiás na cidade de Rubiataba, filha do Casal José Gilvan Leite Sampaio (in memoriam) e Maria Santana Sampaio. Gislaine vem de uma prole de dois irmãos o José Matias Sampaio Neto, o mais velho e Ajaks irmão mais novo que faleceu no ano de 1995.  


A infância de Gislaine foi vivenciada na cidade de Rubiataba, pois, seus pais após casarem-se foram embora para o estado de Goiás. Gislaine revela que sua infância não foi em Brejo Santo, só veio morar aos 14 anos de idade, após a morte de seu pai. Ela veio estudar com os primos e com os tios na cidade de Recife. Teço então a pergunta sobre sua adolescência e Gislaine descreve que “Foi muito boa, eu quando cheguei em Brejo no ano de 1977, construí amizades que até hoje perduram, a minha família é uma família grande, que de certa forma, uma parte era política e isso abriu um leque muito grande pra eu conhecer muita gente”. O pressuposto descrito sobre as amizades justifica-se porque o seu tio Juarez Sampaio era Prefeito na época e andava muitas pessoas na residência dele, e através destes fatos conheceu muita gente e foi uma adolescência muito descontraída com muitas amizades. No momento Gislaine faz alusão a família materna do seu avó Denguinho e sua avó Mundinha, pois como morava na casa deles tudo isso ajudou com toda formação, foi assim uma adolescência vivida intensamente. Retrata os momentos de descontração, como as festas da época diferenciadas das atuais, as festas mais frequentadas eram a do padroeiro, a vaquejada, as festas de natal, ano novo, dia das mães enfim festejos comemorativos e ressalta que é impossível alguém da época não recordar do B.S.U.C (Brejo Santo União Clube), local onde se despertava para os primeiros namoros, as tertúlias, e todas marcaram a juventude da época. Gislaine concluiu seus estudos e se formou em Psicologia.




Mas com o passar do tempo surge a presença de Welington Landim (in memoriam) em sua vida. Gislaine diz: “Comecei a namorar com Welington ia completar 16 anos, então, a gente foi amor à primeira vista e desde que começamos sempre foi um namoro harmonioso”. Quando começaram a namorar, Welington estudava medicina na cidade de Recife e Gislaine tinha estudado dois anos na cidade do Crato, na ocasião morava com os tios Lurdinha e Zé Alfredo e após esse período foi estudar em Recife com os tios Marcelo e Tiquinho (in memoriam), juntamente com os primos. E em Recife ela e Welington continuaram a namorar. Casou-se com 22 anos, e foram morar na cidade de Campinas São Paulo, pois, Welington estava fazendo a residência médica, e na época nasceu o primeiro filho Guilherme. No ano de 1986, o casal se muda para Brejo Santo, ele começou a vida profissional, porém por um curto período de tempo, depois adentrou na política. Mas Welington sempre teve em mente que a saúde é muito importante, ressalta Gislaine. Welington se dedica juntamente com Gislaine a vida pública e política, conhecida por todos nós. Além de Guilherme vieram os filhos Welington Filho o qual é advogado, mas também é ator teatral, Gilvan é médico ortopedista trabalha três dias na semana aqui em Brejo Santo, e Bárbara assume a parte de cirurgiã vascular, também irá atender em Brejo Santo de segunda a quarta feira. Sabemos da dedicação profissional de cada um em prol da comunidade. Ela diz que Guilherme é formado em Medicina, mas no momento exerce o cargo no poder Legislativo do Estado como Deputado Estadual. Percebo no olhar de Gislaine a alegria em falar dos netos e diz com satisfação o nome de cada um: Lívia a neta mais velha, Guilherme Filho, Laura, filhos de Guilherme e Shesla Pinheiro Almeida.  Está por vir o quarto neto que se chamará Welington Neto, filho de Gilvan e Daniela Moura Queiroz. Gislaine assume assim sua missão sublime de filha, mãe, avó, sogra, amiga, dividindo seu tempo entre a família e a vida pública.  




 No decorrer da conversa peço a Gislaine que descreva sua pessoa, é uma pergunta bastante subjetiva, mas ela responde prontamente: “Eu sou uma pessoa embora um pouco tímida, quem me conhece sabe, não gosto muito de holofotes, eu gosto de trabalhar, mas, uma certa discrição, eu sou uma pessoa extremamente tímida, gosto muito das coisas transparentes e das pessoas simples e tudo meu é muito intenso. Eu gosto de fazer as coisas com vontade e assim, sou extremamente transparente, sou uma pessoa que todo mundo sabe o que eu sinto, eu não consigo esconder. As minhas amizades elas são muito limpas, a pessoa sabe o que é que eu sinto, eu não consigo muito manter uma relação só por aparecer. Tenho amigos, gosto muito da vida, já tive muitas perdas, mas sou muito lutadora, acredito muito que a gente está aqui de passagem e teremos brevemente um reencontro com Deus e com as pessoas que a gente ama. É essa força que me move, é saber que a gente está aqui de passagem e que só fica aqui e você não leva nada. Tudo que fica aqui só é o que você construiu com amor, com bondade, com carinho e amizade”. Gislaine foi Deputada Estadual em 2001, revela que como foi um mandato de oposição, não obteve muitas conquistas, mas foi um mandato que marcou presença e que consolidou uma amizade muito grande com os Ferreira Gomes, migrou na época para o partido deles e que até hoje estão juntos trabalhando por um Ceará melhor e que Guilherme seguindo a mesma meta que o pai tinha que era de trabalhar, fazer da nossa Brejo Santo e a nossa Região do Cariri, enfim o Ceará inteiro, mais justo e melhor.
Gislaine conclui com a seguinte mensagem as todos os brejossantenses e especialmente as mulheres: “Brejo Santo, hoje se destaca muito na área feminina, nós temos uma Prefeita mulher Teresa Landim, nós temos uma presidente da Câmara Carmem Martins, nós temos nas pastas das Secretarias da Prefeitura, mulheres, nas pastas mais importantes nós temos secretárias mulheres, a Educação, a Saúde, a Assistência Social e isso mostra que as mulheres de Brejo Santo realmente lutam para terem as mesmas condições, tanto de trabalho como de liberdade, que os homens. Todas as mulheres de Brejo Santo tem essa consciência é através do trabalho e da nossa luta que a gente pode sustentar esse pilar da nossa casa, que é sempre a mulher. Para a população como um todo que a cada dia Brejo Santo vem se destacando e a gente não pode largar mão disso e que cada um pode fazer as sua parte, lutando, e hoje nós temos e vivemos em uma crise mundial, que não é diferente em nenhuma capital, estado, município e que Brejo Santo está passando e que as pessoas estão aí lutando para que a gente possa vencer e superar esta fase mais difícil e viver da forma como Brejo Santo merece que é se destacando em várias áreas no Brasil, no nosso estado e na nossa Região. Nasci em Goiás, mas costumo dizer a mamãe: “amo minha terra natal Rubiataba, tenho ainda vários familiares e amigos, meu pai e meu irmão estão enterrados lá, mas é aqui em Brejo Santo que meu coração fica”. 
Atualmente Gislaine Landim divide seu tempo entre Fortaleza e Brejo Santo, se dedica ao Instituto Welington Landim oferecendo o melhor no serviço para Brejo Santo. 
O que dizer diante desta dedicação ao longo dos anos a uma cidade e ao povo?  Gratidão é a palavra certa a nossa querida Gislaine que com sua grandeza de mulher nos ensina a lutar sempre e nunca desistir.